O ministro da Secretaria de Portos – SEP, Edinho Araújo, assinou a primeira ordem de serviço do Plano Nacional de Dragagem – PND, em sua segunda etapa. A obra de dragagem de acesso, orçada em R$ 210 milhões, será realizada no Porto do Rio de Janeiro pelo consórcio formado pelas empresas Van Oord e Boskalis.   Licitada pelo Regime Diferenciado de Contratação – RDC, via contratação integrada, a obra tem prazo de cinco meses para a conclusão dos projetos básico e executivo, e de nove meses para a conclusão da dragagem e prazo contratual de 20 meses.

A chamada bacia de evolução, local em que os navios fazem as manobras, que atualmente opera com 400 metros de diâmetro, será ampliada em formato elíptico passando a medir 963 metros por 600 metros. A largura do canal de acesso passará dos atuais 120 metros para uma largura máxima de 264 metros. A obra permitirá que o Porto receba navios de 345 metros de comprimento, 48 metros de boca e 13,5 metros de calado, embarcações porta-contêineres e navios graneleiros.

O PND-2 foi lançado em 2012 pela presidente da República, Dilma Rousseff, como parte do Programa de Investimento em Logística – Portos e prevê o aprofundamento (e posterior manutenção das profundidades atingidas) nos canais de acesso, nas bacias de evolução e nos berços (ponto de atracagem). São contratos de longo prazo, com possibilidade de contratação em blocos. Estão previstos R$ 3,8 bilhões de investimentos em dragagem de manutenção, nos próximos dez anos, em diferentes portos do País. A SEP é a gestora do PND e responsável pelos processos de licitação.