Foi realizado nesta segunda-feira, 09 de janeiro, o pregão eletrônico para a compra conjunta de produtos de bens de informática, como notebooksdesktops e monitores. Conforme dados do Ministério do Planejamento, a estimativa inicial era de uma despesa de R$ 240,2 milhões. O Pregão Eletrônico nº 4/2016, porém, obteve o valor aproximado de R$ 147 milhões para a compra. Ao todo, 119 órgãos públicos estão participando da licitação.

O Pregão Eletrônico foi organizado pela Secretaria de Tecnologia da Informação — STI em parceria com a Central de Compras do Governo Federal e foi iniciado ainda em 2014. Ao todo, 106.977 itens de informática serão adquiridos. “A homologação da licitação ocorrerá após a análise e os testes dos equipamentos. A previsão é que este trabalho seja finalizado até o início de fevereiro”, destaca reportagem publicada no portal do Ministério do Planejamento.

O advogado e especialista em licitações, Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, aponta, ainda, mais benefícios do modelo adotado. “No cálculo realizado pela reportagem, não se levou em conta, ainda, o custo que seria dispendido com a realização de diversas licitações por cada órgão público para a aquisição dos bens. Caso isso tivesse sido previsto no cálculo, o valor da economia seria ainda mais relevante”, explica o advogado.

Jacoby Fernandes lembra também que os órgãos que não participaram do pregão terão uma nova chance para adquirir os produtos. “A matéria destaca que ‘outros órgãos ou entidades públicas poderão fazer a adesão à Ata de Registro de Preço, que será criada ao final do processo licitatório. Esta ata terá a validade de um ano’. A adesão à ata de registro de preços possui regras próprias previstas no Decreto nº 7.892/2013 e também representa mais uma forma de aquisição de bens com economia para o órgão interessado”, complementa o especialista.