O último Concurso realizado para provimento de cargos no Metrô do Distrito Federal pode apresentar irregularidades. A Promotora de Justiça do Distrito Federal e Territórios em exercício na 5ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social – Prodep, Juliana Ferraz Da Rocha Santilli, instaurou Inquérito Civil Público para apurar supostas irregularidades na elaboração da prova do concurso público para o cargo de advogado.

O certame era para o provimento 232 vagas em diversas áreas de atuação, de nível superior e médio, com salários entre R$ 2.916,00 e R$ 7.020,00. Para o cargo de Advogado, foram oferecidas seis vagas e formação de cadastro reserva com a percepção de um salário R$ 6.480,00 para os nomeados.

O inquérito está registrado no Sistema de Controle e Acompanhamento dos Feitos e Requerimentos – Sisproweb sob o nº 08190.019242/15-21 e tem como interessados o Metrô/DF e o Instituto Americano de Desenvolvimento – IADES.

A IADES é uma organização civil de direito privado e de interesse público, sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP.