Dicas para melhorar o controle financeiro do seu escritório de advocacia

Você conhece os números do seu negócio? Reconhece que o controle financeiro do seu escritório de advocacia precisa de melhorias? Quer saber para onde vai o dinheiro, mas não sabe o que fazer?

A gestão financeira, apesar de provocar calafrios em muitos gestores, não é um bicho de sete cabeças. É necessário ter certo entendimento de termos técnicos e conceitos da área, sim, mas isso não está fora do seu alcance!

Algumas dicas simples podem ajudar no controle das finanças do seu escritório de advocacia. Está preparado para se dedicar um pouco ao assunto?

Então continue lendo para saber mais!

1. Faça um planejamento financeiro estratégico

Ah, o planejamento… Talvez ele seja o passo mais importante para alcançar o sucesso empresarial, mas ao mesmo tempo é tratado com descaso por muitos empresários — compreenda que colocar a mão na massa sem saber exatamente o que está fazendo pode resultar em um bolo murcho e ruim.

Além de montar um plano de negócios bem estruturado, considere dar atenção à Análise SWOT ou ao Quadro de Modelo de Negócios (Canvas), os quais darão o devido auxílio ao planejamento financeiro completo.

2. Analise periodicamente os resultados obtidos

O que adianta investir em tecnologias eficientes, como softwares de gestão, se você não pretende acompanhar os resultados?

Desconhecer os números é uma falha que pode, inclusive, levar sua empresa à falência. Análises de resultados são necessárias para saber quais estratégias estão dando certo, quais estão piorando os indicadores ou o que deve ser mantido ou alterado.

Qualquer setor do escritório precisa conhecer os seus indicadores de desempenho para que os resultados possam ser devidamente avaliados — seja diariamente, semanalmente, mensalmente ou anualmente.

3. Fluxo de caixa: conheça a saúde financeira

Resumidamente, o fluxo de caixa torna possível o acompanhamento de todas as movimentações financeiras do negócio. Veja algumas vantagens de acompanhá-lo diariamente:

  •         descobrir o capital de giro necessário para financiar as operações empresariais de forma contínua;
  •         evitar a dependência de futuros empréstimos bancários;
  •         controlar as movimentações financeiras com precisão e entender tudo o que se passa no negócio;
  •         tomar decisões baseadas em dados concretos e economizar dinheiro;
  •         conseguir definir seu pró-labore mensal sem colocar as finanças da empresa em risco.

Em suma, ter os registros de entrada e de saída de dinheiro permite que o gestor saiba onde ele está sendo gasto ou aplicado e adote medidas estratégicas, eliminando despesas desnecessárias e investindo naquilo que gera lucro.

4. Saiba qual é o capital de giro necessário para manter o negócio funcionando

O capital de giro nada mais é do que a quantia necessária para manter o seu negócio funcionando. Ele está diretamente relacionado ao fluxo de caixa e abrange abastecimento de estoque, folha de pagamento dos colaboradores, contas de água e luz, aluguel, entre outros.

Para ter o total controle financeiro do seu escritório de advocacia, é necessário conhecer os números do negócio, inclusive a quantia relacionada ao custo fixo mensal para manter tudo em ordem.

Se você não sabe, exatamente, qual é o capital de giro necessário, talvez acabe gastando com outras questões, prejudicando as finanças da empresa e se endividando.

5. Separe as despesas pessoais das despesas empresariais

Um erro grave, porém comum para muitos empreendedores, é não separar a pessoa física da pessoa jurídica quando se trata do capital da empresa. Pagar suas contas pessoais com o cartão empresarial, ou vice-versa, pode desorganizar os processos, fazer com que você gaste mais do que deveria e fique no vermelho no final do mês.

Uma sugestão é acompanhar o registro das movimentações financeiras e definir o capital de giro necessário. Depois, se baseando nesses dados financeiros, definir um pró-labore mensal que supra suas necessidades, sem excessos.

6. Utilize um sistema de gestão contábil

O controle financeiro está diretamente relacionado à gestão do negócio. Para que tudo esteja em ordem, é necessário otimizar processos, o que garante sobra de tempo para a equipe ou para o gestor, os quais podem, então, dar atenção às outras tarefas importantes para o negócio.

Com um programa financeiro jurídico, é possível:

  •         acompanhar o fluxo de caixa;
  •         controlar receitas e despesas;
  •         gerenciar pagamentos e recebimentos;
  •         gerar relatórios fundamentais para a análise periódica de dados;
  •         gerenciar reembolsos e inadimplências.

Imagine o que as funcionalidades acima, entre muitas outras, poderiam fazer pela gestão financeira do seu escritório de advocacia!

Enfim, neste artigo vimos algumas dicas para melhorar a gestão do escritório de advocacia.

Se pudéssemos resumir tudo em algumas palavras, diríamos: além de utilizar um software jurídico para otimizar processos, invista em um planejamento completo, conheça os números do seu negócio e mensure os resultados. Conheça o melhor software jurídico.