Às vezes, não basta a administração pública ser eficiente, fazer uma boa especificação e realizar a aquisição, mas deve ter espírito combativo para suportar o calvário jurídico pós licitação.

No caso da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH, recém criada, embora tenha realizado uma licitação exitosa, após perder recursos no ano anterior, os equipamentos de videocirugia adquiridos, vitais ao aprendizado dos futuros médicos e à manutenção da vida de milhares de pessoas, a disputa agora é judicial.

A empresa Stryker, que admitiu ter pagado propina na Argentina, segundo informou o Jornal o Clarín, conseguiu suspender a licitação. Corre-se o risco de haver nova perda de recursos e vidas humanas.

Enquanto isso, hoje foi publicada a descentralização dos créditos orçamentários para financiar a aquisição dos equipamentos de videocirurgia constantes da Ata de Registro de Preços n° 85/2013, do Pregão Eletrônico SRP n° 21/2013-EBSERH.

O problema da saúde no Brasil não é somente médico, mas jurídico, econômico, empresarial… haja fôlego para as autoridades responsáveis.