Em uma iniciativa pioneira na estrutura militar, o Ministério da Defesa instituiu uma boa prática na área de gestão de pessoas. Por meio da Portaria Normativa nº 956/MD, de 23 de abril de 2015, publicada hoje no Diário Oficial da União, o órgão implantou um projeto de valorização da pessoa portadora de necessidades especiais para os Comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

O projeto, que é destinado aos militares que adquiriram deficiência física ao longo de suas carreiras, tem o objetivo de promover a valorização pessoal e o fortalecimento da integração social, por meio do esporte. Em virtude das limitações de espaços físicos adequados e de recursos humanos capacitados, serão contemplados inicialmente apenas os militares portadores de deficiência sensorial e/ou motora.

Um comitê Gestor será formado para planejar, coordenar, e supervisionar as atividades relacionadas aos trabalhos; acompanhar os convênios realizados pelas Forças Armadas; definir e orientar os parâmetros esportivos pedagógicos; acompanhar a execução físico-financeira do projeto; e coordenar todas as ações que envolvam as atividades de pesquisa, ensino e capacitação do desporto paralímpico no âmbito das três Forças.

O programa será desenvolvido em duas fases, sendo a primeira em 2015, com a implantação do projeto piloto e a segunda fase, a partir de 2016, com as ações de expansão, baseadas nos resultados apresentados no projeto piloto e na avaliação conduzida pelo Comitê Gestor. Organizações militares, como o Colégio Militar de Brasília, figurarão como núcleos do projeto piloto.

Os talentos esportivos detectados durante as atividades serão avaliados pela Comissão de Desporto das Forças, com vistas ao seu eventual aproveitamento para o esporte paralímpico nacional. O Departamento de Desporto Militar e a Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do Ministério da Defesa deverão executar as ações do projeto, que também pretendem contar com parceria de organizações públicas e privadas.