Pressionado por suspeitas de favorecimento a uma empresa privada na elaboração de estudos e projetos que embasaram as concessões de portos, rodovias e aeroportos, o governo decidiu mudar o processo para as ferrovias e também para a segunda etapa das concessões de rodovias. Além disso, vem promovendo entendimentos entre o setor privado e o Tribunal de Contas da União – TCU, para evitar que dúvidas quanto à fiscalização do novo formato atrasem ainda mais o programa.

Leia a íntegra da matéria no site do Estadão.