O Governo Federal espera poupar R$ 132 milhões ao longo deste ano com a compra de passagens aéreas diretamente com as companhias. A medida, anunciada nesta terça-feira, 10, pelo Ministério do Planejamento, foi testada ao longo de dois meses no fim do ano passado. Na ocasião, os técnicos verificaram uma economia de 30% ao comprar bilhetes diretamente com TAM, Gol, Avianca e Azul, em vez de realizar por meio de agências de viagem e turismo.

“O que estamos fazendo é o que o cidadão comum já faz há muitos anos. Hoje qualquer um de nós compra a passagem diretamente com as companhias, sem intermediários, porque é mais barato. Nós estamos agora adotando a mesma sistemática no âmbito do governo federal”, afirmou o secretário de Logística e Tecnologia de Informação do Ministério do Planejamento, Cristiano Heckert.

A pasta, comandada por Nelson Barbosa desde janeiro, informou que encontrou uma diferença de preço de até 64% em passagens quando fez a operação diretamente com as companhias. Uma viagem de Brasília ao Rio de Janeiro realizada em 2013 por meio de uma agência de viagens saiu por R$ 601,04. O mesmo trecho, comprado no período de testes em 2014, diretamente com as companhias aéreas, custou R$ 216,00.

O governo também advoga que a compra direta das passagens com as empresas aéreas permite uma fiscalização maior dos recursos públicos envolvidos, uma vez que todas as ordens de gastos são feitas por um sistema único, que também permite acesso às faturas em meio virtual.

O Planejamento também anunciou duas licitações para a aquisição de equipamentos de videoconferência e de ativos de rede. O governo decidiu concentrar 114 processos licitatórios em dois leilões. A primeira envolverá 61 órgãos federais e prevê 809 salas de comunicação remota em 81 municípios em até um ano. O segundo leilão vai envolver 37 órgãos em 39 cidades.