Prevista para o início de fevereiro, uma licitação para concessão de 105 permissões de táxi está causando discussões e polêmica em Juiz de Fora, município de Minas Gerais. A Associação Municipal dos Taxistas quer a unificação do regulamento para realização do serviço na cidade, antes de realizar o processo licitatório e deve enviar à Prefeitura um questionamento às normas do edital nos próximos dias.

O Sindicato dos Auxiliares considera que o procedimento dará chance aos auxiliares para se tornarem permissionários. Já a Secretaria de Transportes e Trânsito justifica o certame com base em estudos técnicos usados na elaboração do edital.

Atualmente Juiz de Fora possui 545 táxis nas ruas, permissões distribuídas em 1982. Esta situação é questionada na justiça pela a Associação Brasileira de Taxistas – Abrataxi por não ter acontecido licitação. Agora, a licitação é questionada pela Associação Municipal dos Taxistas, que não concorda com o sistema biométrico e nem com a participação de parte dos atuais motoristas no processo. A meta da Prefeitura é de aumentar o número da frota municipal para 650. O edital estabelece que os novos veículos tenham, no mínimo, seis anos de fabricação, quatro portas e ar condicionado. Entre os itens obrigatórios, um GPS, câmera de vigilância e um taxímetro com biometria, exigências que também são questionadas.