No final dos Exercícios financeiros, sempre há muita correria, quer seja com a necessidade de licitar, promover empenhos ou inscrever despesas em restos a pagar. O ritmo é acelerado.

O Ministério da Cultura estabeleceu diretrizes a seus servidores no tocante ao processamento dos restos a pagar de despesas processadas e não processadas. É um exemplo de boa gestão que pode ser utilizado pelo seu Órgão ou entidade. Confira o teor da Portaria 939/2013 da Secretaria Executiva do Ministério.