Na última quarta-feira, 7, o CAB publicou uma punição da Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD contra uma operadora de turismo. Agora, a universidade resolveu punir mais duas empresas por descumprimento do edital das respectivas licitações. A Máxima Comércio de Medicamentos teve seu direito de licitar e contratar com a União por 18 meses devido à entrega do objeto contratado. Uma outra punição foi para a empresa Clínica Nutricional, a qual ficará sem negociar em nível federal durante um ano. A clínica ainda foi multada em R$ 226,4 mil, o que representa 30% sobre o valor do contrato. A razão para a penalidade também é o atraso na entrega do objeto.

Em ambos os casos, a universidade caracteriza a punição como uma forma de repreender as condutas avaliadas como lesivas das empresas. Ambas terão cinco dias úteis para apresentar a defesa e recorrer da decisão, se assim desejarem.

Comentários do CAB: Provavelmente devido ao descaso, a UFGD passou a adotar medidas punitivas contra os atrasos. Prova disso são as pesadas (e, quem sabe, merecidas) punições contra as empresas que descumprem o contrato firmado. No caso de medicamentos, é sabido que o atraso na entrega pode causar prejuízos inestimáveis à população, pessoas que ficam sem os remédios por causa da irresponsabilidade de certos licitantes.