O Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, vinculado ao Ministério da Defesa, publicou portaria em que cria o chamado Programa Interoperabilidade Técnica de Comando e Controle. O programa buscará agregar, de modo coordenado, os principais projetos de sistemas táticos de Comando e Controle das Forças, seguindo os preceitos formulados durante o Projeto SISTED, que normatiza as ações para os futuros sistemas de Comando e Controle, visando à obtenção de benefícios, de sinergia e das capacidades que aumentem a interoperabilidade. Há atividades e metas que não são alcançáveis por uma só entidade, demandando atuação conjunta para concretização.

Interoperabilidade é a realização de atividades e operações entre diversas instâncias das Forças Armadas. Por exemplo: uma atividade no litoral pode envolver uma operação por terra, mar e ar, por isso Marinha, Exército e Aeronáutica precisam planejar conjuntamente. No caso específico da portaria, pode significar uma auditoria coletiva e simultânea entre as Forças.

Nas últimas semanas, o comando das Forças vem realizando debates, palestras e seminários para preparar os militares. Entre os dias 20 e 22 de agosto, por exemplo, foi organizado o Seminário de Comando e Controle 2014. A cerimônia aconteceu no Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro – Comdabra, em Brasília/DF. O foco do evento foi a interoperabilidade entre as Forças Armadas nestes tipos de ações.