Foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 17, a decisão do Comitê de Política Monetária – Copom de reajustar a meta anual da taxa Selic para 10,5%.  O conselho foi unânime na decisão de aumentar em 0,5% a taxa, que estava afixada em 10% desde novembro do ano passado. Essa é a maior taxa de juros desde janeiro de 2012.

Comentário do CAB: Segundo economistas, a alta é reflexo da inflação comum no início do ano. Em 2014 essa pressão pela elevação da taxa deverá ser ainda maior, principalmente sobre os chamados “preços administrados”. Ano passado, reajustes nas tarifas de ônibus, combustíveis, pedágios e energia elétrica, por exemplo, foram suprimidos na tentativa de conter a série de manifestações populares que tomaram as ruas de grandes cidades do país.

A política fiscal do governo tem sido outro fator de pressão. Os economistas afirmam que a Administração não vem sendo zelosa com o dinheiro público – e mesmo que o faça, a inflação dificilmente cairá em ano eleitoral e de Copa do Mundo. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, já anunciou que não há previsão de novas desonerações para 2014.