Por intermédio de portaria, o Ministério da Saúde ampliou a oferta de especialidades médicas nos chamados Consultórios de Rua. Esta ação do ministério visa atender a população de rua, oferecendo atenção integral à saúde geralmente debilitada destas pessoas por meio da prestação de serviço nas localidades mais carentes. As equipes passam a ser compostas por quatro ou seis profissionais, dependendo da modalidade. Foram acrescentadas as especialidades de cirurgião dentista, professor de educação física e profissional formado em arte/educação.

As equipes de Consultórios na Rua devem realizar as atividades de forma itinerante e, quando necessário, utilizar as instalações das Unidades Básicas de Saúde do território, desenvolvendo ações em parceria com as equipes dessas unidades. A carga horária mínima semanal de 30 horas. O horário de funcionamento deve se adequar às demandas das pessoas em situação de rua, podendo ocorrer em período diurno e/ou noturno, em todos os dias da semana.

A partir de agora, as equipes poderão ser compostas por: As equipes poderão ser compostas pelos seguintes profissionais de saúde:

– enfermeiro;

– psicólogo;

– assistente social;

– terapeuta ocupacional;

– médico;

– agente social;

– técnico ou auxiliar de enfermagem;

– técnico em saúde bucal;

– cirurgião dentista;

– profissional de educação física;

– profissional de educação/artes.

Comentários do CAB: Esta é uma das ações mais elogiáveis do Ministério da Saúde. A população de rua, quase sempre marginalizada, precisa de mais cuidado do que o restante, porque estão expostos ao frio, às DSTs, às doenças causadas pela má alimentação e aos problemas decorrentes da falta de higiene adequada. O objetivo dessa ampliação é investir na restauração dentária destas pessoas (cirurgião dentista), na avaliação das condições físicas (profissional de educação física) e na reinserção social (profissional de educação/arte).