A partir de agora, os pacientes com suspeita de cirrose, hepatite ou esteatose hepática – popularmente conhecida como gordura no fígado – poderão realizar exames de detecção das doenças pelo Sistema Único de Saúde. Em portaria publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira – 30 de setembro – a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde incorporou o procedimento de elastografia ultrassônica hepática dentre os procedimentos realizados pelo SUS.

A elastografia é uma técnica não invasiva de diagnóstico e de acompanhamento de doenças que acometem o fígado. Indolor e de rápida execução, não necessita de preparo ou jejum, sendo utilizado para avaliação inicial e para seguimento da progressão ou regressão da fibrose hepática de diversas doenças do fígado. O procedimento, em muitos casos, pode substituir a biópsia.

Medicamentos oferecidos pelo SUS

O Ministério da Saúde também incorporou ao SUS medicamentos imunossupressores para o tratamento de linfoma e para evitar a rejeição em casos de transplantes cardíacos e hepáticos. O órgão publicou portarias para a inclusão dos medicamentos zidovudina, tracolimo, everolimo e sirolimo na cartela do Sistema Único de Saúde.

Outros medicamentos incorporados foram o cloridrato de cinacalcete e o paricalcitol, utilizados para o tratamento de hiperparatireoidismo secundário em pacientes com doença renal crônica. Os produtos são destinados a pacientes que passam por procedimento de hemodiálise.

O faz a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde?

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde – SCTIE/MS – atua no desenvolvimento da capacidade científica, tecnológica e produtiva nacional para o fortalecimento do SUS. A SCTIE é responsável pela formulação e implementação das políticas nacionais de ciência, tecnologia e inovação em saúde, assistência farmacêutica e fomento à pesquisa, desenvolvimento e inovação na área de saúde. É o órgão que coordena o processo de incorporação e desincorporação de tecnologias em saúde no âmbito do SUS.

Em parceria com outros ministérios e órgãos estatais, a Secretaria orienta a política do Complexo Industrial da Saúde para o setor público, favorecendo o desenvolvimento da indústria farmacêutica nacional.