por J. U. Jacoby Fernandes

Vivemos em uma era abundante de informações. A multiplicidade de ambientes, produtores e temas promove a produção de conteúdos das mais diversas espécies e níveis. A evolução tecnológica propiciou, também, o aumento na capacidade de armazenamento de todas essas informações. Não é pela falta de informações que a nossa geração padece.

A grande quantidade de informações, porém, não é garantia de desenvolvimento. Mais importante do que possuir tais informações, é saber como utilizá-las de forma inteligente e eficiente. Assim, é preciso que essas informações sejam trabalhadas de tal forma que sejam capazes de gerar conhecimento para as futuras gerações.

A alimentação de toda a base de dados, por exemplo, exige que haja informação coerente e padronizada, de modo a garantir o sucesso nas avaliações que serão produzidas a partir desse sistema. Quanto mais qualificada for a informação utilizada para a alimentação, mais resultados produtivos poderão ser extraídos desse material. A qualificação de dados é o ponto central para o sucesso dessas avaliações objetivas.

No informativo de ontem, foi destacado o lançamento do Painel de Preços do Governo Federal, uma ferramenta que auxiliará o gestor no processo de pesquisa de preços. O sistema é alimentado por meio do banco de dados do Portal Compras Governamentais, baseado na inclusão de informações, pelos gestores, durante a realização dos procedimentos licitatórios.

Os itens que estão contidos no sistema, porém, apresentam algumas peculiaridades. Como são os próprios gestores que inserem os itens no cadastro do Compras Governamentais, muitas vezes, não há uma uniformidade nos termos utilizados para a inclusão do produto. Assim, um simples equívoco de digitação acarreta a existência de dois significantes para um mesmo significado.

Para o sistema, “caneta esferográfica azul” e “esferográfica azul” são dois itens distintos e classificados em partes distintas, embora sejam o mesmo produto. E isso vale para toda a infinidade de produtos e serviços que a Administração Pública adquire. Assim, a qualidade da pesquisa pode ficar comprometida.

Esta falha na entrada de dados não foi resolvida no Painel de Preços. Ao buscar por um item específico, aparecem uma série de produtos com a inscrição distinta, embora se trate de um mesmo produto, de mesma qualidade e quantidade.  Uma opção que pode facilitar a vida do gestor é realizar a busca pelo código do produto, obtendo uma amostragem mais fidedigna.

De todo modo, os desenvolvedores do sistema deixaram nas mãos dos gestores a atividade de inclusão indireta dos dados no Painel. Por isso, é muito importante que todos estejam atentos durante a utilização do Compras Governamentais para que mantenham um padrão de inclusão de produtos. Durante a apresentação do painel, os técnicos falaram que, no futuro, será possível criar classificações estáticas dos produtos, eliminando distorções nas inclusões. Na área de Tecnologia da Informação, tal atividade já está em desenvolvimento.

Até lá, o bastão está com o gestor público. Atenção na inclusão de dados, capacitação e treinamento serão fundamentais para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento dessa nova ferramenta que visa auxiliar as Compras Públicas.