Com informações da XP Investimentos

Os futuros leilões de concessões de gasodutos serão organizados pela Agência Nacional de Petróleo – ANP e realizados nos mesmos moldes das licitações de projetos de transmissão de energia. Uma versão preliminar doPlano Decenal 2013-2022 de Expansão da Malha de Transporte Dutoviário – Pemat foi divulgada ontem pelo Ministério de Minas e Energia. O documento era ansiosamente esperado pelos empresários da área, que poderão opinar acerca do material divulgado. O plano, no entanto, não indicou outros projetos de gasodutos a serem licitados.

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética – EPE, Maurício Tolmasquim, disse que o primeiro gasoduto a ser licitado deverá ser entre Guapimirim e Itaboraí, com 11 km de extensão e capacidade nominal de 17 milhões de m³ diários de transporte de gás. A inclusão do empreendimento, cujo investimento é estimado em R$ 112,3 milhões, foi proposta pela Petrobras para permitir o escoamento de gás natural do pré-sal, na Bacia de Santos, para o Comperj.

O Pemat é resultado da “Lei do Gás”, de 2009. Segundo Tolmasquim, o plano permite, a partir da identificação de mercados potenciais e da existência do combustível, traçar os gasodutos e indicar os projetos que podem ser licitados. “Isso vai criar um mercado semelhante ao do setor de transmissão de energia elétrica”, compara o presidente da EPE.

A versão preliminar do Pemat, que ficará em consulta pública até 26 de fevereiro, traz projeções de demanda por gás natural, de produção e oferta do insumo e um mapeamento da infraestrutura de gasodutos necessária para atender esse mercado. De acordo com estimativas oficiais, sem contar o consumo termelétrico, a demanda por gás natural no Brasil saltará dos atuais 40,6 milhões de m³ diários para 89,7 milhões de m³. A expectativa do Ministério de Minas e Energia é publicar a versão definitiva do Pemat até o fim do primeiro trimestre. A elaboração do plano, assim como os leilões de gasodutos,