A Prefeitura de Campinas/SP suspendeu a licitação para obras do Teatro Ópera, no Parque Ecológico Monsenhor Emílio Salim, em parceria com o governo do estado. O certame está orçado em aproximados R$ 80 milhões. O início da construção havia sido anunciado para dezembro de 2013 e as obras teriam duração de 45 meses. A capacidade será 1,2 mil pessoas e poderá atender 3 milhões de pessoas por ano na Região Metropolitana de Campinas.

A decisão foi publicada no Diário Oficial de Campinas na manhã desta segunda-feira, 23, e foi um pedido da Secretaria de Infraestrutura. Empresas interessadas em participar estavam questionando diversos aspectos técnicos da obra, o que levou a pasta suspender o edital para sanar todas as dúvidas. A Secretaria de Infraestrutura ainda não tem um novo prazo para liberar a licitação.

O teatro

A construção será Parque Ecológio Monsenhor Emílio José Sallim. Com estilo elizabetano, onde o palco avança sobre a plateia em um semicírculo para criar interatividade entre cena e público, a casa de espetáculos terá verba de R$ 80 milhões do governo estadual.

O desenho apresentado pelo ex-diretor do Museu da Casa Brasileira – de 1992 a 1995 – indica um teatro com 12 mil metros quadrados de área construída, em que a forma é a de um triângulo com lados curvos. A sala de espetáculos é formada pela plateia principal com 1 mil assentos, balcão com 200 lugares, sala de projeção, controle e tradução simultânea.

O projeto de Bratke foi doado ao município pelo valor simbólico de R$ 400 mil, em maio de 2011, pelos empreendedores de um complexo de condomínios da cidade como contrapartida pelas construções das casas e prédios às margens da Rodovia Anhanguera.